Para a nona edição do Relatório Anual da Natura, que se refere ao período entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2008, adotamos mais uma vez a versão G3 das diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI) no nível de aplicação A+, o mais alto para o relato do desempenho econômico, social e ambiental.



Reunimos informações de todas as nossas operações, incluindo Argentina, Chile, Colômbia, México, Peru, Venezuela e França, com predominância para as atividades no Brasil, onde centralizamos nossa produção e, portanto, concentramos a maior parcela de nosso impacto social e ambiental. Os resultados econômicos englobam todas as operações. Contamos também com dados sobre nosso relacionamento no Brasil com os principais stakeholders: aqueles que definimos como construtores da marca – colaboradores, consultores e consultoras, consumidores, fornecedores e comunidades fornecedoras – e outros três que consideramos diretamente interessados nesta publicação – comunidades do entorno, governo e acionistas.

Pelo segundo ano consecutivo, as informações socioambientais foram verificadas através da auditoria independente Det Norske Veritas (DNV), que também está verificando os dados do inventário de gases de efeito estufa ainda não validados. Já as informações econômico-financeiras foram aferidas pela companhia Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes. Publicamos ao final os pareceres de ambas as verificações externas.

A coleta das informações para o Relatório Anual envolve diversas áreas da Natura e está em constante processo de evolução. Procuramos assegurar que o sistema de consolidação de indicadores, bem como as entrevistas qualitativas, alcance cada vez mais todas as operações e instâncias da Natura. Neste ano, alguns históricos de dados foram alterados como resultado desse processo contínuo de evolução. Vale destacar que a maior parte dos indicadores reflete os impactos da operação no Brasil, que concentra nossa produção. Temos, portanto, espaço de evolução na sistematização dos dados das operações internacionais, que ainda estão em fase de implantação.

Para permitir o acesso mais amplo ao Relatório Anual da Natura 2008, utilizamos diferentes formatos e canais de comunicação:
  • Caderno para formadores de opinião – a principal publicação impressa, com as informações mais relevantes de nosso desempenho em português, inglês e espanhol.
  • Internet – apresenta o conteúdo completo em português e inglês, disponível no www.natura.net/relatorio.
  • Jornal para colaboradores – com os temas de maior interesse do nosso público interno em português e espanhol.
  • Revista para consultoras e consultores – reúne informações específicas para nosso canal de vendas, apenas em português.
A definição sobre o conteúdo de cada veículo de comunicação é resultado do estudo de materialidade, que procura identificar os temas relevantes para o nosso relato a partir do cruzamento de dois eixos: a estratégia da Natura e os interesses dos principiais públicos. Contribuíram para essa análise três fontes de informação: as manifestações recebidas pela Ouvidoria Natura ao longo de 2008, o processo corporativo de engajamento de stakeholders e a consulta a especialistas, eventos realizados no Brasil em dezembro.

Veja abaixo o resultado dessa matriz de materialidade:



No dia 5 de dezembro, reunimos na Casa Natura, em Campinas, São Paulo, cerca de 50 pessoas, entre colaboradores, consultoras e consultores, fornecedores, consumidores e investidores da Natura. Os participantes foram convidados a identificar oportunidades em sua relação com a Natura e os compromissos que, em sua visão, deveriam ser assumidos pela Comunidade Natura (a empresa e seus públicos de relacionamento). Estas demandas foram disseminadas aos gestores e consideradas no processo de planejamento estratégico em 2009.

Para evoluir o relato de nossa sustentabilidade, também organizamos uma consulta a especialistas, com o objetivo de obter um olhar mais crítico e sugestões de melhorias sobre o conteúdo do Relatório Anual 2007. Participaram dessa avaliação:Enrique Svirsky, sócio-fundador do Instituto Socioambiental;Nelmara Arbex, diretora de treinamento da GRI; Regina Queiroz, pesquisadora do Instituto Observatório Social; Ricardo Voltolini, jornalista e diretor da consultoria Idéia Sustentável; Roberta Kuruzu, diretora executiva da Associação Brasileira de Vendas Diretas; e Roberto Gonzáles, da Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais.

Também levamos em consideração as recomendações do estudo “Rumo à Credibilidade”, realizado pela consultoria inglesa SustainAbility e pela Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável, no qual figuramos como empresa líder no relato da sustentabilidade no Brasil.

Apresentamos no quadro abaixo as principais dentre as mais de 100 sugestões de melhoria que recebemos para o nosso relato da sustentabilidade e as respostas que encaminhamos nessa edição:

Público Especialistas
Demanda Há pouca informação sobre terceiros, especialmente, sobre o comprometimento dos fornecedores com as questões da sustentabilidade. Mostrar a cadeia
de valor.
Resposta Natura Incluímos um mapa de nossa cadeia de valor no capítulo Cadeia de Valor Natura.

Público Especialistas
Demanda Apresentar metas mais específicas e quantitativas e explicar como foram definidas.
Resposta Natura Metas serão definidas a partir da conclusão do planejamento estratégico e publicadas nesta versão on-line em maio de 2009.

Público Especialistas
Demanda Discutir modelo de venda direta.
Resposta Natura Ler capítulo Geração de Valor Social.

Público Especialistas
Demanda Relatar processo utilizado para identificar temas materiais.
Resposta Natura Apresentamos temas prioritários no capítulo Temas Prioritários em Sustentabilidade e explicamos o processo nesse capítulo.

Público Painel de Stakeholders
Demanda Apresentar planos para melhorar a comunicação da Natura com consultoras e consultores.
Resposta Natura Veja capítulo Consultoras.

Público Painel de Stakeholders
Demanda Relatar melhor o processo de reciclagem pós-consumo.
Resposta Natura Veja capítulo Consultoras.

Para mais informações sobre este relatório, entre em contato diretamente com a equipe responsável pela sua elaboração pelo e-mail: relatorioanual@natura.net

Compromissos com Iniciativas Externas

Ao longo do texto do Relatório Anual listamos inúmeras entidades das quais fazemos parte, também apoiamos e disseminamos diversas iniciativas globais e nacionais que refletem nosso comportamento empresarial e estão alinhadas com nossas ações e crenças.

Além dos compromissos destacados no relatório anual de 2007 como o Fórum da Amazônia Sustentável, Global Compact, Union for Ethical BioTrade, Instituto Ethos, Empresa Amiga da Criança, este ano destacamos o apoio ao Movimento Nossa São Paulo, uma iniciativa da sociedade civil de São Paulo, motivada a solucionar os problemas da vida urbana; e ao Conexões sustentáveis, promovido pelo FAS e pelo Movimento Nossa São Paulo com o objetivo de debater e divulgar as responsabilidades das empresas de São Paulo sobre questões relativas à Amazônia. Além de aderirmos à Business and Biodiversity Initiative, uma iniciativa liderada pelo ministério alemão de meio ambiente e apoiada pela GTZ com o objetivo de engajar o setor privado na busca pelos objetivos da Convenção Sobre Diversidade Biológica.

Princípios do Pacto Global

Desde julho de 2000, a Natura é signatária do Pacto Global, iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU) que reúne empresas, trabalhadores e sociedade civil para promover o crescimento sustentável e a cidadania. Também somos integrantes do Comitê Brasileiro do Global Compact (CBPG), criado a partir de parceria entre o Instituto Ethos e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), em 2003. O CBPG é composto por empresas, agências do Sistema nas Nações Unidas no Brasil, entidades empresariais, academias e organizações da sociedade civil que trabalham com os temas de Direitos Humanos, Direitos do Trabalho, Meio Ambiente e Combate à Corrupção.

Para mais informações sobre a iniciativa, consulte o site www.pactoglobal.org.br